Cultura

0
0
0
s2sdefault

Com uma programação robusta, a Casa do Benin participa pela segunda vez da Festa Literária Internacional do Pelourinho (Flipelô), e dá início às atividades com uma roda de capoeira para praticantes e admiradores da luta. A roda será realizada nesta quinta-feira, às 19h, pelo Grupo Gangara. Até domingo, último dia da festa literária, a casa vai ofertar ainda atrações voltadas para a literatura, culinária, música entre outras manifestações artísticas.

Para titular da Gerência de Equipamentos Culturais da Fundação Gregório de Mattos (FGM), Chicco Assis, a programação da casa durante a Flipelô representa não só o fortalecimento cultural da cidade, mas também celebra três décadas de existência do local. “A Casa do Benin está completando 30 anos e é o momento do espaço, que está no coração do Centro Histórico, de celebrar participando de maneira mais ativa da vida do centro. Essa parceria com a Flipelô demonstra um movimento de fortalecimento e valorização muito importante para as relações afrodiaspóricas de Salvador, trazendo temas fortes como a literatura negra e periférica e reforçando movimentos culturais de negritude que tem acontecido com tanta força”, reforçou o gestor.

Assis adiantou que, para comemorar os 30 anos da Casa do Benin, a gerência está dialogando com a Fundação Pierre Verger, que também festeja em 2018 três décadas de funcionamento, para a montagem de uma exposição em homenagem ao antropólogo Verger e a arquiteta Lina Bo Bardi – personagens que tiveram participação crucial na história de ambos os espaços culturais. 

Destaques culturais – Nos quatro dias de programação, o acervo da Casa do Benin, com obras coletadas por Pierre Verger em expedições à África, estará aberto à visitação sempre das 10h às 17h. 

Nesta sexta-feira (10), às 19h, as editoras Organismo e Segundo Selo realizam a primeira roda de conversas sobre Literatura Negra Contemporânea e Processos Criativos, coordenada por Silvânia Carvalho e que contará a participação dos autores baianos Davi Nunes, Vânia Melo e Alex Simões.

No sábado e no domingo (11 e 12), das 10h às 17h, acontecerá no Pátio da Casa do Benin, a PeriFeirAfro Literária – movimento que tem a proposta de expor e comercializar de livros e produtos afins, além de promover sessões de autógrafos de escritores e escritoras negras e da periferia. As editoras baianas Organismo, Segundo Selo, Galinha Pulando e da carioca Malê participarão da ação.

Como parte da programação do sábado ocorre também o Ajeum Lítero-Sonoro, com a chef Angélica Moreira e seu Ajeum da Diáspora,  apresentando e servindo um suculento cozido, acompanhado de entradas e de batidas preparadas com coco, tamarindo e maracujá e batizadas de Fufu, Dedeu e Jajá. O almoço será servido ao som de Música Preta Preriférica, set list especial que será discotecado pelo DJ Gug Pinheiro.

Já no domingo (12), além da PeriFeirAfro, será a vez do poeta Nelson Maca e seu Candomblacksia capitanearem a “Ocupação Dia Preto, se preto ele for!”. A partir das 11h, acontece mais um Ajeum Lítero-Sonoro e, para este dia, a chef Angélica promete servir um dos pratos mais cobiçados no Ajeum da Diáspora, o Efó, que poderá ser acompanhado de peixe ou frango. 

Programação:

*Dia 09 (Quinta)

10 às 17h – Visitação à Exposição Permanente do Acervo da Casa do Benin

19h – Roda de Capoeira com o Grupo Gangara

*Dia 10 (Sexta)

10 às 17h – Visitação à Exposição Permanente do Acervo da Casa do Benin

19h – Roda de Conversas: Literatura Negra Contemporânea e Processos Criativos – Roda de Conversas coordenada por  Silvânia Carvalho, com a participação dos autores: Davi Nunes, Vânia Melo e Alex Simões. Organizado pelas editoras Organismo e Segundo Selo.

*Dia 11 (Sábado)

10 às 17h – Visitação à Exposição Permanente do Acervo da Casa do Benin e PeriFeirAfro Literária – Exposição e venda de livros e produtos afins, com sessão de autógrafos de escritores e escritoras da periferia. Editoras convidadas: Organismo, Segundo Selo, Malê, Galinha Pulando e outras.

A partir de 11h – Ajeum Lítero-Sonoro – A chef Angélica Moreira e seu Ajeum da Diáspora – apresenta e serve o prato do dia: Cozido. DJ Gug Pinheiro discoteca Música Periférica Brasileira

A partir de 13h – Ocupação Poéticas Periféricas – organizada por Valdeck Almeida e pela Editora Galinha Pulando

13h – Sarau e lançamento do livro Poéticas Periféricas: A nova voz da poesia Soteropolitana, com a participação de poetas da coletânea.

14h – Roda de Conversas: A Poesia Periférica no Centro da Literatura Sorteropolitana, com a participação dos poetas Gisele Soares, Sandro Sussuarana, Samuel Lima, Luz Preta Marques, Fabrícia de Jesus e Rilton Júnior.

15h – Encontro de Saraus – Roda poética com representantes de importantes saraus e coletivos poéticos da cidade – Sarau Bem Black, Sarau da Onça, Sarau do Cabrito, Sarau do JACA, Sarau da Raça, Sarau Bairro da Paz Vive e Coletivo Pé Descalço.

*Dia 12 (Domingo)

10 às 17h – Visitação à Exposição Permanente do Acervo da Casa do Benin e PeriFeirAfro Literária – Exposição e venda de livros e produtos afins, com sessão de autógrafos de escritores e escritoras da periferia. Editoras convidadas: Organismo, Segundo Selo, Malê, Galinha Pulando e outras.

A partir de 11h – Ajeum Lítero-Sonoro – A chef Angélica Moreira e seu Ajeum da Diáspora – apresenta e serve o prato do dia: Efó, com peixe ou com frango. DJ Gug Pinheiro discoteca Música Preta Brasileira

13h – CandomBlackesia: Axé e Poesia na Batida – Performance afro-poética e musical com Nelson Maca & Afro-Power-Trio: Dj Gug, João Teoria e Mestre Jorjão Bafafé e convidados: Alexandra Pessoa, Lee27, Vera Lopes e Netas de Francisca: Lucia Santos e Luiza Gonçalves

14h – Letras e Vozes de Mulheres Negras – Vera Lopes e Emile Lapa apresentam performance com diálogo entre poemas de Carolina Maria de Jesus e Conceição Evaristo

15h – Roda de Conversas: Escrita Atual da Bahia Preta – Roda de conversa com escritores e escritoras que participam da PeriFeirAfro Literária

16h – Free Pelô: Slam dos Slans – Slam de poesia com representação de slams pioneiros de Salvador – Slam da Onça, Slam Lonan, Slam das Minas e Slam da Raça.

 

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

A Cidade da Música sempre sediou e idealizou diversos eventos artístico-culturais. No fim de semana do Dia dos Pais, com os eventos permanentes da Prefeitura para as famílias, além da Festa Literária Internacional do Pelourinho (Flipelô), motivo é o que não falta para curtir a cidade.

A Secretaria Municipal do Trabalho, Esporte e Lazer (Semtel) oferece há mais de 20 anos o projeto Ruas de Lazer, com aulas de dança, música, futebol, jogos de xadrez, dama, capoeira, parque infantil, pula-pula, teatro, oficinas de pintura, e muitas atividades para jovens e adultos soteropolitanos.

A Semtel leva o projeto na manhã de sábado (11), das 8h às 12h, para o Jardim Campo Verde, comunidade Barro Duro, Ceasa BR-324 e na Praça do Bariri no bairro de Plataforma e no mesmo dia a tarde, das 14h às 17h, na Av. Nossa Senhora de Lurdes - Estrada da Rainha, na região da Baixa de Quintas.

Durante a 2ª Flipelô, o museu A Casa Do Carnaval da Bahia, coordenado pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult), está com entrada gratuita até o dia 12 de agosto. A Casa do Benin, museu administrado pela Fundação Gregório de Mattos (FGM), também tem programação especial no fim de semana da Festa Literária, com o evento começando até o domingo (12).

Teatro - Aos que gostam de dança, no Teatro Gregório de Mattos, equipamento administrado pela FGM, está em cartaz o espetáculo Nunca por Acaso, com direção coreográfica de Giovanni Luquini, sempre aos sábados e domingos às 19h, até o dia 26 de agosto. Os ingressos são a preços populares: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). No foyer do Teatro Gregório de Mattos, com entrada gratuita, a exposição Gregórios e no Espaço Cultural da Barroquinha a exposição Orixás da Bahia, estão abertas à visitação entre as 13h e as 19h.

Parque da Cidade - A tradicional feirinha realizada pela Associação de Produtores Orgânicos Feirantes acontece neste sábado, das 7h às 12h, na Praça Pau-Brasil, no Parque da Cidade. Serão comercializadas frutas, verduras, legumes e hortaliças frescas e cultivadas sem agrotóxicos. Das 10h às 16h, acontece também, na Praça Pau-Brasil, o Bazar da Faculdade São Salvador, no sábado e no domingo, realizado por estudantes de Direito e o bazar terá produtos novos e seminovos.

No domingo (12), o dia começa com o Ekam - Festival de Paz Mundial, com aulas de yoga, meditação e oficinas de danças circulares para o público, a atividade acontece no Gramadão das 7h às 10h. Os participantes devem levar toalhas, cangas ou tapetes para as práticas. A meditação Falun DaFa também acontece no Gramadão, das 8h às 9h30, e os participantes devem usar roupas leves para a atividade. Das 9h às 12h, integrantes do Rotary Club farão uma campanha com o objetivo de divulgar a vacinação contra a poliomielite e sarampo.

 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

O Salvador Jazz 2018, quarta edição do projeto realizado pela Prefeitura, através da Saltur, se firma no calendário de eventos da cidade ao reunir, na noite deste sábado (04), oito mil pessoas no Rio Vermelho, agitando o bairro mais boêmio da capital com música de qualidade. Ao todo, cinco bandas passaram pelo Largo da Mariquita, quatro soteropolitanas e uma de renome nacional no novo cenário da música instrumental no Brasil. 

Passaram pelo palco do projeto os grupos Saravá Jazz Bahia, Pirombeira, Rumpilezzinho e Bexiga 70. Para o presidente da Saltur, Isaac Edington, o Festival de Jazz faz parte da diversidade do calendário de eventos da cidade. "Fazemos os festivais de Reggae, Hip Hop, entre outros ao longo do ano. A ideia é essa diversificar nosso calendário, mostrando nossos talentos e trazendo nomes nacionais. Somos fortes na música instrumental e vimos no Rio Vermelho belíssimas apresentações com misturas inusitadas e especiais".

Mistura - A noite foi marcada pela mistura do estilo norte-americano com a mística dos tambores da Bahia. O resultado? Música boa, artistas virtuosos encantando e fazendo muita gente feliz no bairro boêmio da capital baiana.  Com raízes fincadas na música negra da Bahia e a referência calcada nos clássicos norte-americanos, em especial na influência vinda do burburinho que acontece há décadas na cidade de Nova Orleans, o sexteto soteropolitano Saravá Jazz Bahia foi a primeira atração a pisar no palco na noite de ontem.

“Nós fazemos música para os cidadãos de Salvador, e essa receptividade positiva de hoje foi muito gratificante, pois é um reconhecimento deste trabalho que desenvolvemos”, afirmou Márcio Pereira, responsável pela guitarra, os arranjos e as composições do Saravá.

Disposta a acompanhar a festa até o fim, a aposentada Elizabeth Wenceslau, 93, considerou importante a repetição da iniciativa, “principalmente pela possibilidade de curtir música de qualidade bem pertinho de casa”. “Sou apaixonada por música instrumental. Na infância, o jazz era algo comum na casa de meus pais e por isso amo tanto. Quero ficar até o final do show”, garantiu Elizabeth. 

A segunda atração da noite foi o grupo Pirombeira, formado por jovens talentos da música baiana. A banda passou por ritmos nordestinos, como frevo, samba de roda e maracatu, ao mesmo tempo em que apresentou a improvisação oriunda do jazz. O coletivo Rumpilezzinho também recebeu diversos aplausos da galera, e teve como convidada especial Gilmelândia. A última atração da noite, Bexiga 70, misturou ritmos latinos, africanos e nacionais e teve como convidada Tulipa Ruiz.

Pausa - No intervalo das apresentações do palco principal, a banda SSA - Som Soteropolitano Ambulante - promoveu um arrastão musical no entorno do largo, com sete músicos (dois trompetistas, dois percussionistas, tuba, sax e trombone), fazendo o público dançar ao som de clássicos do jazz, além de um repertório repleto de canções populares da Bahia e do Brasil. 

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

O resultado do Concurso de Decoração de Fachadas no Circuito Oficial do Dois de Julho, promovido pela Prefeitura por meio da Fundação Gregório de Mattos (FGM), foi publicado no Diário Oficial do Município desta quinta-feira (5). Dentre as 18 fachadas identificadas, a primeira colocação ficou com o imóvel da Rua dos Adobes, 7, que levou o prêmio de R$2 mil. Em seguida, estão a fachada do imóvel da Rua Direita do Santo Antônio, 34, que ficou na segunda posição e ganha R$1 mil, e a da localizada na Ladeira da Soledade, 150, que ficou em terceiro lugar e receberá R$500.

O prêmio é destinado ao dono do imóvel ou ao locatário mediante comprovante da propriedade ou contrato de locação. Os vencedores terão cinco dias úteis para entregar a documentação e, caso não esteja regular, o suplente será convocado. A comissão de seleção foi composta por Antônio Gonçalves Bittencourt, técnico servidor da FGM, e dois representantes da sociedade civil: Daniel Juracy Mellado Paz, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (Faufba), e Larissa Braga de Melo Fadigas, da Escola de Belas Artes (EBA) da Ufba, que percorreram todo o trajeto cívico.

“Ver o povo participando e interagindo com o desfile, numa manifestação alegre e positiva apesar das agruras da vida, é incrível. Para mim, que já participo do evento há muito tempo tanto como servidor público, quanto cidadão e fotógrafo, é muito gratificante poder experimentar mais esse papel de observar a participação de todos. É a criatividade das pessoas na decoração, num evento que celebra a independência, com entusiasmo e devoção”, afirma Bittencourt.

Retomada da tradição – Para estimular a retomada da tradição da decoração das fachadas situadas no trajeto do Cortejo Cívico do Dois de Julho, o concurso privilegiou propostas que atenderam a temática cívica, a preservação do prédio, criatividade e originalidade e utilização de materiais sustentáveis. Não foi necessária inscrição prévia. Para participar, bastava decorar a fachada do imóvel dentro do trajeto oficial do circuito, no trecho compreendido entre a Lapinha e o Terreiro de Jesus.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Neste mês de julho, o projeto Quintas Gregorianas faz uma homenagem ao Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Afro-Caribenha, comemorado em 25 de julho. A atração é o espetáculo “Nois Vamo Meter Mão”, que ganha a cena nesta quinta-feira (5), às 19h, na Galeria do Teatro Gregório de Mattos, como resultado do encontro entre a poeta e MC Amanda Rosa e a DJ DMT. Gratuita, a apresentação une artes visuais e performances em corpos e escrevivências (escritas sobre vivências) de (r)existências das mulheres negras em diáspora. 

No palco da exposição GREGÓRIOS, estarão presentes elementos como facão, arruda, caixas de som, latas de spray, projeção entre cenas de filmes e da realidade. A poesia de Amanda Rosa aparece intercalada entre beat, sound system, rap, triphop e performances da DJ DMT. Outras grandes mulheres guerreiras baianas, como Maria Felipa, Maria Quitéria e Joana Angélica, também inspiram a cena numa referência à semana que celebra a Independência da Bahia. 

Amanda Rosa, 26 anos, é baiana da região da Chapada Diamantina e mostra uma poesia permeada de força, cuidado, amor e o ódio que atravessam as palavras e transbordam em traps e rimas. Poeta, MC e atriz, começou com a escrita, caminhou para a poesia, chegou ao teatro e se reconheceu através da música como resistência. 

GREGÓRIOS – Ambientada num circuito dinâmico e criativo, com diversas texturas, composta pela vasta obra creditada a Gregório de Mattos, a mostra cria uma atmosfera seiscentista da Salvador do poeta por via da iluminação, dos sons, de imagens e objetos que transportam os visitantes àqueles tempos em que a capital da Bahia já se fazia majestosa e a mais importante cidade das Américas. Além da vida e obra do Boca de Brasa, uma linha do tempo retrata a trajetória da Fundação Gregório de Mattos, criada em 1986 e que, ao longo de três décadas, tem sido uma instituição importante para alavancar ações e projetos culturais em Salvador. 

A exposição GREGÓRIOS está em cartaz na Galeria do Teatro Gregório de Mattos e segue até o mês de outubro, quando será remodelada e ganhará formato de memorial permanente. A exposição Gregórios tem curadoria e conceito de Joãozito (in memorian), Lanussi Pasquali e Carla Zollinger, com cenografia de Renata Mota e Produção Executiva assinada pela Multi Planejamento Cultural.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

A roda de conversa “Patrimônio É...” entra na grade da programação cultural da data magna da Bahia e debate o tema “Dois de Julho: Rotas da Independência”, excepcionalmente nesta quarta-feira (4), às 18h, no Espaço Cultural da Barroquinha, no Centro. Promovida pela Prefeitura, por meio da Fundação Gregório de Mattos (FGM), a roda de conversa sobre educação patrimonial será mediada pela diretora de Patrimônio e Humanidades da FGM, Milena Tavares, e traz como convidados o arquiteto e urbanista Francisco Senna, e os historiadores Jaime Sodré e Marcelo Siquara.

Os debatedores prometem uma “viagem no tempo” para falar sobre os principais pontos históricos por onde a guerra pela independência do Brasil na Bahia passou, desde o Recôncavo até chegar em Salvador. Na ocasião, além das batalhas, serão relembrados personagens como Maria Felipa, Maria Quitéria, General Labatut, Lord Cochrane e Joana Angélica. O evento é gratuito e aberto ao público. 

Projeto – “Patrimônio É...” é um projeto do Salvador Memória Viva, programa da FGM de atividades de proteção e estímulo à preservação dos bens materiais e imateriais do município. Aborda a questão do patrimônio cultural em diálogo com a história, memória, arquitetura, espaço público, educação, gestão e economia da cultura. 

Além de manter uma pauta fixa mensal para o tema, promove a educação patrimonial, colabora no direcionamento das ações dos institutos de tombamento e registro, bem como das instâncias de salvaguarda, e instrumentaliza a política municipal para atuar na valorização da memória histórica da cidade. Em 2018, são dez encontros no total e quem participar de, pelo menos, 70% das rodas de conversa, terá direito a um certificado ao final.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

O resultado da etapa de habilitação do edital GREGÓRIOS foi publicado no Diário Oficial do Município (DOM), dia 30 de Junho a 03 de julho de 2018. Os proponentes cujos projetos tenham sido inabilitados poderão apresentar recurso até três dias contados desde a data da divulgação (03), através do e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.. A Comissão Técnica de Avaliação e Seleção responderá aos recursos interpostos através de publicação no DOM até cinco dias úteis, depois de decorrido o prazo para interposição.

O edital GREGÓRIOS foi lançado em homenagem a Gregório de Mattos e às três décadas da Fundação que leva seu nome, com a finalidade de selecionar projetos culturais estruturantes que tenham as características do poeta barroco: ousadia, irreverência, crítica social, vanguarda e liberdade de expressão, com enfoque em pelo menos uma das seguintes linguagens artísticas: Literatura, Artes Visuais, Circo, Dança, Fotografia, Música e Teatro, não sendo obrigatório selecionar projetos de todas as linguagens.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

Os grupos contemplados com o edital Prêmio Samba Junino - promovido pela Prefeitura por meio da Fundação Gregório de Mattos (FGM) - realizam ações e apresentações em diversos pontos da capital baiana até o dia 7 de julho, entretendo a população soteropolitana e fazendo a manutenção das tradições culturais da nossa terra.

Ainda em clima de festa junina e no dia em que se comemora a festa de São Pedro, a banda Samba Fama realiza nesta sexta-feira (29) um arrastão da Vasco da Gama ao Engenho Velho de Brotas. O grupo trará com um repertório eclético para agradar todos os amantes do samba. A movimentação terá início às 19h, e a previsão é se arraste até as 23h.

Já no sábado, a animação fica por conta das atrações Samba Fogueirão e Jaké. O Samba Fogueirão projeto faz parte Associação Cultural Fogueirão foi criada na Vasco da Gama, em 1987. O movimento mescla elementos da cultura afrobaiana com elementos da cultura portuguesa e das festas juninas. O grupo desfilará da Rua 11 de Agosto até a Avenida Vasco da Gama, com saída às 20h.

Já a banda Jaké promete um arrastão animado saindo do Largo da Capelinha ao Solar Boa Vista, no Engenho Velho de Brotas. Deverão integrar o repertório canções de sambistas consagrados do cenário baiano e nacional. A concentração está prevista para 21h, mas a festa deve seguir até as 2h.

No domingo (30), a festa tem início mais cedo com Jaké, que realizará um movimento intitulado Encontro de Samba Junino no Solar Boa Vista, no Engenho Velho de Brotas. E para finalizar a programação de samba junino em 2018, já no dia 7 de julho, o Samba Fogueirão realiza apresentação e premiação do festival de música na Rua 11 de Agosto, a partir das 18h.

0
0
0
s2sdefault
0
0
0
s2sdefault

O encontro entre poesia e cinema marca a edição de junho do projeto Quintas Gregorianas nesta quinta-feira (14), às 19h, na Galeria do Teatro Gregório de Mattos (TGM), no Centro. Em recital batizado de Odu-Duo, as duas linguagens artísticas interagem através de sons, imagens e sentidos pelas mãos de dois artistas baianos. A entrada é franca. 

A mixagem ao vivo entre cinema e poesia acontece pelas mãos do poeta James Martins e do cineasta Caio Araujo. O duo promete apresentar inusitadamente as duas linguagens atuando como num jogo de frescobol, com diálogos e propostas como poemas para assistir, filmes para cegos e toques da canção popular. 

Durante a atividade, os poemas e projeções “explorarão a dupla característica de serem artes tanto do tempo como do espaço, em ligações umbilicais”, segundo os autores. Além de obras próprias como "O Sistema é Fruto" (James Martins) e "O Elogio da Utopia" (Caio Araujo), haverá releituras de artistas como João Cabral de Melo Neto ("O Cão Sem Plumas"), Waly Salomão ("A Memória é Uma Ilha de Edição") e Augusto de Campos (“TVGramma 4 – Erratum”).

Perfis – James Martins é poeta e organizador do Pós-lida (recital de poesia e alguma prosa). Colunista e crítico em alguns veículos de comunicação, Martins é famoso pelas perguntas ácidas. Caio Araujo é cineasta experimental, compositor e instrumentista. Foi o vencedor do prêmio de melhor filme experimental e melhor filme de ficção no Festival Cidade Filmada em 2009, em Salvador.

GREGÓRIOS – Além do Quintas Gregorianas, o público também poderá conferir a mostra GREGÓRIOS. Ambientada num circuito dinâmico e criativo, com diversas texturas, composta pela vasta obra creditada a Gregório de Mattos, a exposição cria uma atmosfera seiscentista da Salvador do poeta, por via da iluminação, dos sons, de imagens e objetos que transportam os visitantes àqueles tempos em que a capital da Bahia já se fazia majestosa e a mais importante cidade das Américas. 

Além da vida e obra do Boca de Brasa, uma linha do tempo retrata a trajetória da Fundação que leva o nome do poeta. Criada em 1986, a Fundação Gregório de Mattos (FGM), ao longo de três décadas, tem sido uma instituição importante para alavancar ações e projetos culturais em Salvador.

GREGÓRIOS está em cartaz na Galeria do Teatro Gregório de Mattos e acaba de ser estendida até o mês de outubro, quando será remodelada e ganhará formato de memorial permanente. A exposição tem curadoria e conceito de Joãozito (in memorian), Lanussi Pasquali e Carla Zollinger, com cenografia de Renata Mota e produção executiva assinada pela Multi Planejamento Cultural.

 

0
0
0
s2sdefault

Fale Conosco

O seu canal de comunicação com o nosso site. Caso tenha dúvidas, sugestões ou solicitações de serviços, por favor, mande mensagem que teremos prazer em respondê-la.

Enviando...